OVNI FILMADO EM PRAIA DA SICILIA ITALIA 2017

000001 - Cópia

Alerta OVNIs Ufos

Pelo menos na imaginação de muita gente, os objetos voadores não indentificados são naves de outros planetas. A ciéncia não leva isso a sério, mas algumas aparições nunca foram bem explicadas. Aquele que não conhece a verdade é simplesmente um ignorante, mas aquele que a conhece e diz que é mentira, este é um criminoso

VEJA ATUALIZAÇÕES VISITE LISTA: http://feeds.feedburner.com/CuoUfologiaOriginais
VEJA TAMBEM: CASOS UFOLOGICOS NO BRASIL E NO MUNDO
leia mais...

Descoberto na África uma metrópole "Anunnaki" de mais de 200.000 anos

DESCOBERTA NA AFRICA UMA METROPOLI ANUNNAKI
Algo surpreendente foi descoberto em uma área do sul da África. É os restos de uma grande metrópole que mede em estimativas conservadoras, cerca de 1.500 quilômetros quadrados. 

DESCOBERTA NA AFRICA UMA METROPOLI ANUNNAKI. 02
Eles sempre estiveram lá, as pessoas notado antes, mas ninguém conseguia se lembrar de quem os fez ou por quê. Até recentemente, ninguém sabia quantos eram, agora estão em toda parte, milhares não, centenas de milhares deles!, Ea história que contam é a história mais importante da humanidade, mas que pode não estar disposto a ouvir .
É parte de uma comunidade ainda maior de cerca de 10.000 quilômetros quadrados e parece ter sido construído. Estás pronto? de 160.000 a 200.000 anos antes de Cristo !!
A imagem abaixo é um close-up de algumas centenas de metros da paisagem tomada com google-earth. A região é remota e os "círculos" são frequentemente confrontados com os agricultores locais, que supõem que elas foram feitas por alguns povos indígenas no passado, mas, estranhamente, ninguém se preocupou em perguntar sobre quem poderia ter feito ou quantos anos .
image
Isso mudou quando o pesquisador e autor Michael Tellinger, uniram-se com Johan Heine, um bombeiro e um piloto local que tinha sido voando sobre a região há anos observando as ruínas. Heine tinha a vantagem única de ver o número e escopo dessas fundações de pedra estranhas e sabia que sua importância não é valorizado.
"Quando Johan me apresentou para as ruínas de pedra antiga África do Sul, não tinha idéia das incríveis descobertas que foram feitas em um ano a dois, fotografias, artefatos e evidências que se acumularam, certamente, um perdido e nunca visto antes, a civilização está acima de todos os outros, não para algumas centenas de anos ou alguns milhares de anos ... mas muitos milhares de anos e estes resultados são tão marcante que não são facilmente digeridas pelo atual histórico, fraternidade como temos experimentado uma mudança de paradigma completo é exigido na forma como vemos a nossa história -". Tellinger
A área é importante para a surpreendente quantidade de depósitos de ouro. "Os milhares de minas de ouro antigos descobertos nos últimos 500 anos, aponta para uma civilização desaparecida que viveu e explorou ouro nesta parte do mundo há milhares de anos", diz Tellinger. "E se este é realmente o berço da humanidade, podemos estar a olhar para as atividades da mais antiga civilização na Terra."
Para ver o número eo alcance destas ruínas desta metrópole, sugerimos que você use google-earth e começar com é as seguintes coordenadas:
Carolina - 25 55 '53 .28 "S / 30 16' 13.13" E 
Badplaas - 25 47 '33 .45" S / 30 40' 38.76" E 
Waterval - 25 38 '07 .82 "S / 30 21' 18.79" E 
Machadodorp - 25 39 ' 22.42 "S / 30 17 '03 .25" E
Em seguida, faça uma pesquisa em baixa altitude dentro da área formada por este retângulo. Simplesmente incrível!  O site é de cerca de 150 km de um excelente porto, onde o comércio marítimo poderia ter ajudado a sustentar uma população tão grande, mas lembre-se que estamos falando de uma metrópole de cerca de 200.000 anos atrás.
ruínas individuais, principalmente círculos de pedra maioria foi enterrada na areia e só são observáveis ​​por satélite ou avião. Alguns têm sido exposto por erosão por fusão de areia, revelando as paredes e alicerces.
Quando os exploradores encontrou pela primeira vez estas ruínas, que eram supostamente para gado corais feitos por tribos nômades, como os povos bantu enquanto se movia para o sul e a terra em torno do século 13 foi estabelecido houve registro história prévia de qualquer civilização capaz de construir maior como uma comunidade densamente povoada. Pouco esforço foi feito para investigar o local porque o escopo das ruínas não são totalmente conhecidos.
Nos últimos 20 anos, pessoas como Cyril Hromnik, Richard Wade, Johan Heine e outros descobriram que essas estruturas de pedra não são o que parecem, de fato, eles agora acreditam que os restos de antigos templos e observatórios astronômicos perda civilizações antigas que datam de milhares de anos.
Estas ruínas circulares estão espalhados por uma área enorme, eles só podem ser verdadeiramente apreciadas pelo ar ou através de imagens modernas de satélite. Muitos deles estão quase completamente erodida ou que tenham sido cobertos pela terraplanagem da agricultura e clima. Alguns sobreviveram tempo suficiente para revelar o seu tamanho com algumas paredes com quase 5 metros de altura e um metro de largura em alguns lugares.
Como para toda a cidade, ou metrópole, é óbvio que este era uma comunidade bem planejado, desenvolvido por uma civilização altamente evoluída. O número de minas de ouro antigas sugere a razão para a comunidade para este local. Encontramos estradas, alguns trechos de centenas de quilômetros que liga a comunidade e terraço agricultura, muito parecida com as encontradas nos assentamentos Inca, no Peru. Mas uma pergunta implora uma resposta - como isso poderia ser feito por seres humanos 200.000 anos atrás?
leia mais...

OVNIs UFOs: Depoimento de fatos com testemunhas

imageO autor - Hoje vou contar aqui uma história verídica que se passou com o meu próprio pai quando era contramestre da Marinha Mercante.

Foi há cerca de 25 anos (por volta de 1985), quando numa viagem de regresso do Norte de África, rumo a Portugal, meu pai vinha de serviço à ponte de leme com o timoneiro do barco “Litoral”.


A meio caminho, viu uma luz muito brilhante no céu estrelado que lhe chamou a atenção e pensou que fosse um avião, mas de repente ela começou a deslocar-se duma forma estranha e meu pai mudou de ideias. Viu então a luz aproximar-se e a aumentar de tamanho até que ficou pairando sobre o mar, a curta distância do barco, projectando um feixe de luz esverdeada que incidia sobre a água.


Meu pai e o marinheiro, intrigados, resolveram chamar o Comandante que dormia no seu beliche. Este ao chegar à ponte de leme e antes de perguntar o que é que se passava, viu de imediato aquele objecto e exclamou: “Epa, aquilo é um Ovni!


Todos viram aquele disco luminoso que os acompanhou por algum tempo por cima do barco, iluminando todo o convés, não emitindo qualquer ruido (fazia apenas um ‘zumbido’) e de repente disparou a grande velocidade, deixando um risco no céu, desaparecendo na linha do horizonte.


Este é um caso testemunhado pelo meu próprio pai que um dia me contou tudo isto numa conversa casual sobre Ovnis que são vistos diariamente no mundo inteiro.


Mas não foi só daquela vez que meu pai teve uma experiência ovniológica. Numa outra altura, quando fazia o percurso do Porto de Leixões para Setúbal, durante a noite, também observou 4 Ovnis em formação a determinada altitude que se deslocam de norte para sul, emitindo várias cores à medida que se deslocavam.

O meu pai disse que foi uma coisa linda de se ver.

Por fim, conheço um caso de um colega de trabalho que numa noite teve uma experiência que jamais esquecerá na sua vida. Ele conduzia seu automóvel de regresso a casa que ficava a grande distância do local de trabalho.

A estrada era escura e de pouco movimento e naquela noite ele começou a notar algo estranho no seu radio que de repente deixou de tocar e só fazia ruidos. O motor do carro também começou a falhar e parou, do mesmo os faróis se apagaram.


Daí a pouco viu algo muito brilhante no ar, a pouca distância a deslocar-se na sua direcção e parou por cima de si, saindo uma luz intensa do objecto que iluminou o local e o carro por dentro, ficando o meu colega muito assustado e a entrar em pânico. Mas de repente sentiu uma tranquilidade e grande sonolência que o fez perder a consciência, não sabendo mais o que se passou.


Quando acordou, pela manhã, estava dentro do carro num local bem distante daquele onde se encontrava, não sabendo como foi ali parar. Isto o assustou bastante e quando chegou a casa contou o sucedido à sua espôsa que já estava muito preocupada e alarmada por ele não ter aparecido à hora habitual durante a noite.


Depois disto, meu colega foi ter comigo à D.F. Setúbal para falar sobre o assunto, contando o sucedido, pois ele sabia que eu acreditava nestas coisas e procurava alguma explicação que o tranqüilizasse. Falamos um pouco e penso que ele foi mais tranquilo, embora eu notasse que ele ficou mudado desde aquele acontecimento na sua vida, menos falador e mais introspectivo. 
Não são raros os casos de abduções e creio que foi isso que aconteceu com o meu colega naquela noite.


Para os cépticos estas histórias não passam de alucinações de quem sofre algum problema mental, mas o facto é que inúmeros são os testemunhos em todo o mundo que reforçam a veracidade dos Ovnis e Et’s no século actual.


Rui Palmela

Fonte : Mistério desvendado

leia mais...

OVNIS UFOS Alerta Brasil, casos ocorridos no Brasil

 
A obra aborda, principalmente, relatos de arquivos, de aparições de Objetos Aéreos NãoIdentificados e contatos com tripulantes de OVNIs, de 1954 à 1979, incluindo casos pesquisados por minha equipe junto à SIFETE - Pesquisa Científica.

Em alguns relatos, a obra apresentaresultados de análises e pesquisas que atestam a veracidade das aparições.



Aguarde o Arquivo carregar logo abaixo!


leia mais...

OVNIs Vistos pela força Aerea entre São paulo, São Jose dos Campos e Rio de Janeiro (Arquivo)




noite de 19 de maio 1986 
O conjunto de incidentes do tipo avistamento registrado em 19 de maio de 1986 é um dos mais conhecidos do repertório da ufologia brasileira, por ter sido observado e comentado oficialmente pelas Forças Armadas. 
Na ocasião, os avistamentos foram tantos que as autoridades da Aeronáutica chegaram a afirmar que o espaço aéreo brasileiro havia sido invadido por vinte e um objetos de origem desconhecida, os quais:
  • foram detectados pelos radares
  • foram acompanhados por aviões a jato
  • comprovadamente se movimentavam em altas velocidades e acelerações, passando de 250 a 1.500 km/h em fração de segundo, sem causar o estrondo característico,
  • mudavam de cor e de trajetória - “subiam, desciam, faziam curvas em ângulos retos (90°) em altíssimas velocidades, sem deixar rastros como as aeronaves convencionais, sumiam instantaneamente do radar e apareciam, aos olhos do observador, em outro lugar”, nas palavras de um dos sargentos encarregados do controle de tráfego aéreo naquela noite,
  • acompanharam o vôo de diversos aviões,
  • causaram a interrupção do tráfego aéreo em várias áreas,
  • saturaram os radares,
  • causaram interferências nos equipamentos de aeronaves civis e militares.
A seqüência oficial dos fatos - a partir da “Área 51 Brasileira” 
Nas horas finais da tarde, Douglas Avedikian, controlador de vôo do CINDACTA em Brasília, recebeu o comunicado de um avião Bandeirantes que questionava à Central de Controle do Trafego Aéreo se havia alguma outra aeronave voando em suas redondezas. A resposta foi negativa. Pouco depois, era ouvida a voz do piloto em pânico relatando que várias luzes passavam bem em sua frente. 
Logo em seguida, o piloto de um avião da Transbrasil que naquele momento sobrevoava a cidade de Araxá-MG, afirmou estar em contato visual com várias luzes. A partir desse momento, o Cindacta passou a receber vários telefonemas das torres de controle do interior paulista (incluindo Pirassununga, Ribeirão Preto e São José dos Campos). Não havia dúvidas e a FAB iniciou seus protocolos de prontidão especial. 
O primeiro contato oficialmente registrado naquele 19 de maio ocorreu visualmente no início da noite, a partir da torre de controle do aeroporto de São José dos Campos. A partir daí foi seguido o protocolo operacional normal no caso de avistamento de objetos não previstos pelo controle de tráfego aéreo, com solicitação de observação a partir de uma aeronave militar que já se encontrava em vôo na região - casualmente, levando a bordo o Coronel Ozires Silva, que pouco antes havia deixado a presidência da Embraer. O comandante da aeronave, Alcir Pereira da Silva, e o coronel Ozires confirmaram ver também objetos luminosos. Mais tarde, Ozires Silva declarou:
Quando nos aproximávamos de São José dos Campos, a bordo do avião Xingu PT-MBZ, Brasília pediu para observarmos alguns pontos que estavam sendo detectados pelo radar, e que não estavam registrados como vôos regulares dentro daquela área. Na altura de 600 metros, vimos pontos luminosos, de cor laranja-vermelhado, com brilho muito intenso. Tentamos nos aproximar das luzes, mas desistimos. As luzes apagavam e acendiam em lugares diferentes (10 a 15 segundos). Observamos variações muito rápidas de velocidade. 
As luzes tinham presenças reais, eram alvos primários no radar, alvos positivos, uma coisa concreta. Se não fosse detectado pelos radares, eu não teria falado nada. (…) Está registrado em fitas pelo radar.
De forma independente, mas simultânea, às 21:14 o controle de radar de São Paulo percebeu contatos não identificados no radar, e também seguiu o procedimento usual, informando ao CINDACTA de Brasília, que às 21:20 confirmou também estar captando os sinais no radar. 
Com a confirmação independente por 3 bases, sendo uma delas inclusive via contato visual, o protocolo exigia medidas imediatas, e o primeiro jato F-5E de prontidão, pilotado pelo tenente Kleber Caldas Marinho decola às 21:23 da Base Aérea de Santa Cruz-RJ, rumo a São José dos Campos. Às 22:45, o radar local da base aérea de Anápolis-GO detecta os sinais, e um Mirage (que havia sido ativado após as primeiras comunicações, na hora anterior) decola, pilotado pelo capitão Armindo Souza Viriato de Freitas, e seguido por outro F-5E pilotado pelo cap. Márcio Brisola Jordão. 
imageSomente às 23:15 o primeiro avistamento foi reportado pelas aeronaves de intercepção. O tenente Kleber identifica as “bolas de luz” e entra em protocolo de perseguição, ao mesmo tempo em que o segundo Mirage levanta vôo em Anápolis. Cinco minutos após o contato visual, o tenente Kleber identifica pela primeira vez a presença de seus contatos também no radar de bordo - que pode ser aferido posteriormente pela caixa preta, afastando assim as hipóteses posteriores de alucinações ou ilusões de ótica. Às 23:36, o terceiro Mirage decola de Anápolis. 
Seguiram-se as manobras descritas acima, que chegaram a envolver até 13 “pontos luminosos” simultâneos, às vezes em manobras evasivas e outras vezes perseguindo as aeronaves da FAB. Esta informação não constou dos relatos oficiais, mas foi confirmada posteriormente: em um momento em que o F-5E era seguido por treze “pontos”, o piloto fez um looping para ficar de frente com tais objetos, o que não foi possível pois os objetos também fizeram o looping com o avião. Comentou-se também que um dos objetos veio em alta velocidade e, de repente, fixou-se bem à frente do avião, em rota iminente de colisão, saindo em seguida, a toda velocidade, deixando o piloto totalmente apavorado. 
Tendo em vista o número de estados em que houve avistamentos e o número de pessoas envolvidas, uma situação rara ocorreu: o Brigadeiro Otávio Júlio Moreira Lima, então Ministro da Aeronáutica, fez um pronunciamento público sobre o assunto:
Entre 20:00 horas (19/05) e 01:00 hora (20/05) pelo menos 21 objetos foram detectados pelos radares brasileiros. Saturaram os radares e interromperam o tráfego na área. Toda vez que os radares detectam objetos não-identificados os caças levantam vôo para identificação. Radar só detecta superfícies sólidas, objetos metálicos e nuvens (massas) pesadas. Não havia nuvens nem aeronaves convencionais na região. O céu estava limpo. Radar não tem ilusão de ótica. Só podemos dar explicações técnicas, e não as temos. Seria muito difícil para nós falarmos sobre a hipótese de que esses objetos seriam de origem extraterrestre. A hipótese de uma guerra eletrônica é muito remota, e não é o caso aqui no Brasil. É fantástico. Os sinais nos radares eram bem claros.
Em seguida o major aviador Ney Antônio Cerqueira (chefe do Centro de Operação da Defesa Aérea – CODA) declarou: “Não temos condições técnicas operacionais para explicar. O aparecimento desses objetos nas telas dos radares é inexplicável… As fitas com as comunicações entre pilotos e controladores das áreas de Brasília, São Paulo e Anápolis e os relatórios dos pilotos dos F-5E e dos Mirages serão estudados para posteriores conclusões.” 
Ainda assim, mesmo com pronunciamento do ministro e promessa de estudod aprofundados, a doutrina oficial exigiu a tradicional mudança de discurso, e já no dia seguinte o comandante do IV COMAR dizia à imprensa: “Pode ser que se explique por uma disfunção eletrônica dos radares, há muitos anos esses casos vêm sendo registrados.” E logo surgiram astrônomos e físicos com a desinformação oficial: meteoros, planetas, reflexos, etc. Os estudos posteriores jamais foram divulgados ao público. 
O que jamais veio a público: OVNIs no Brasil 
Ainda na madrugada de 20 de maio, os registros em videotape, as fitas originais dos radares de vôo e de solo, e as gravações de rádio das torres e aeronaves envolvidas foram recolhidas em uma sala colocada sob vigilância contínua na base de Anápolis. Uma equipe formada integralmente por militares da ativa (da aeronáutica e do exército) foi formada e recebeu ordens de deslocamento imediato. Como se tratavam essencialmente de oficiais engenheiros ou com formação tecnológica, muitos integrantes de equipes técnicas da EMBRAER e muitos alunos do ITA e do IME nas semanas seguintes receberam desculpas variadas sobre a ausência prolongada de seus instrutores e supervisores. 
 Um major aviador da aeronáutica, na época aluno do ITA e hoje membro do WMBI em São José dos Campos, recorda que nos primeiros dias as informações oficiais eram de que diversos instrutores estavam com as mais variadas doenças - de cálculo renal a infecção alimentar. Na segunda semana, todas as desculpas foram unificadas: “razões pessoais”. E alguns dias depois adotou-se o discurso de “missão classificada”. Os instrutores foram substituídos até o final das cadeiras, e só retornaram no ano seguinte. 
Naturalmente recolher os registros necessários para as análises não era suficiente para garantir o acobertamento, e durante todo o dia 21 de maio os CINDACTAs e demais centros de controle de tráfego copiaram suas fitas dos 2 dias anteriores, suprimindo das cópias os trechos “quentes”, e enviaram os originais também para Anápolis, a “área 51 brasileira”. Não era necessário alertar os pilotos civis para guardarem discrição sobre o que haviam presenciado, pois todos sabem das conseqüências pessoais e profissionais que se seguem a quem quebra o “código de silêncio” sobre estes assuntos; ainda assim, as direções de todas as companhias aéreas cujos pilotos haviam relatado contatos não identificados no dia anterior foram discretamente avisadas da importância de um comportamento mais discreto que o usual. 
O “debriefing” dos pilotos militares e pessoal de terra, bem como a análise das gravações, iniciou já no dia 20, com as técnicas usuais de entrevista individual, registro, comparação cruzada e nova entrevista em grupos. As imagens e gravações não eram conclusivas, pois foram captadas por aparelhagem desenvolvida para registrar tráfego de aeronaves comuns. Ainda assim, já nas primeiras 2 semanas foi possível determinar de forma conclusiva alguns fatos, entre eles:
  • Pelo menos 21 objetos diferentes foram captados.
  • Eles se deslocaram comprovadamente sobre o espaço aéreo do Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais e São Paulo. Nenhum objeto foi detectado sobre o Distrito Federal.
  • O primeiro registro em radar ocorreu às 19:54, e não foi percebido pelos operadores do CINDACTA. O último registro ocorreu às 4:20 da madrugada do dia 20, sobre o oceano Atlântico no litoral paulista.
  • Foram detectadas anomalias magnéticas e sismográficas em todos os estados afetados.
  • Houve avistamento por civis em Terra registrados em todos os estados.
  • A velocidade máxima dos objetos não pôde ser medida. Comparando os depoimentos dos pilotos com os registros dos radares, percebeu-se que nos momentos em que os radares registram desaparecimento súbito do objeto, os pilotos relatam afastamento a velocidades extremamente altas.
  • Os objetos em alguns momentos voam em formação, e em outros voam de forma completamente independente. Foram identificados padrões de formação complexos, com alternância de posições entre os integrantes da “esquadrilha”.
  • Registros visuais e de radar confirmam manobras de alta velocidade impossíveis para aeronaves terrestres conhecidas. As manobras incluem inversão súbita de sentido (equivalente a uma mudança de 180 graus no sentido - como uma “marcha a ré” em pleno vôo), variações súbitas de 90 graus na direção e vôo estacionário.
  • Segundo o radar de solo, um dos objetos emparelhou com um dos Mirages durante mais de 4 minutos, à mesma altitude e distância lateral de menos de 50 metros. O piloto nada percebeu.
  • Ao término de suas atividades, 14 dos objetos se afastaram em formação de baixa velocidade sobre o oceano Atlântico, sendo acompanhados até o limite de 200 milhas por uma das aeronaves da FAB. Os demais pontos se uniram em um só, que passou a evoluir em padrão triangular sobre a chapada Diamantina por cerca de 10 minutos, desaparecendo subitamente do radar no momento em que foi dada a ordem para decolagem de um Mirage adicional para persegui-los.
  • Relatos sobre a conformação dos objetos são conflitantes, variando de formatos triangulares a discóides, completamente metálicos ou com janelas aparentes, e um dos pilotos declarou que o ponto perseguido por ele era imaterial, sendo constituído puramente de energia luminosa.
Os pilotos e pessoal de terra receberam cada um as instruções de quanto poderiam revelar e que detalhes deveriam ser confirmados “em off” de forma a não comprometer o acobertamento, gerando no público a informação de que se sabia muito menos do que realmente foi apurado. 
Subitamente, no início da terceira semana de junho, um grupo de “consultores” norte-americanos foi incorporado à equipe, e iniciou suas próprias atividades copiando todos os registros e refutando as conclusões já existentes naquele momento. O major aviador da FAB que comandava a equipe viu-se na situação de não poder dar ordens diretamente a um dos membros da equipe norte-americana - um dos “coronéis instantâneos” da CIA - e solicitou providências a seu comando. E as providências não tardaram: ele foi promovido e imediatamente transferido para uma função administrativa no Rio de Janeiro. Ao tentar contatos extra-oficiais com outros membros de sua equipe técnica em Anápolis nas semanas seguintes, descobriu que todos os oficiais integrantes haviam sido promovidos e transferidos, exceto no caso dos oficiais instrutores, que haviam sido promovidos e colocados em lotações temporárias em diversas bases aéreas separadas, até o início do próximo período letivo em suas lotações permanentes. Ou seja: a equipe foi desmantelada, e nenhum dos integrantes originais foi mantido em contato com os demais. Nada de incomum - de fato, procedimento padrão. E nosso recém-promovido Tenente-Coronel aviador da FAB sabia que não devia continuar fazendo perguntas. 
Anos depois, sua carreira o levou novamente a um posto em Anápolis, com acesso aos registros oficiais da base. Quando teve oportunidade, procurou pelos arquivos relativos a aquelas semanas de 1986. E o que ele encontrou? Registros do rancho, deslocamento de oficiais, sua própria transferência para o Rio de Janeiro logo após a chegada de um grupo de “oficiais visitantes” dos EUA, e nada mais. Como esperado, os registros desapareceram em pleno ar, e hoje devem residir em alguma área secreta no deserto de Nevada, junto com tantos outros. 
E como eu disponho de todas estas informações? Muito simples: aquele oficial logo depois foi afastado e removido compulsoriamente para a reserva da Aeronáutica sem chance de completar uma carreira sem nenhuma mácula, sem receber nenhuma explicação ou mesmo uma oportunidade de fazer perguntas. Logo em seguida passou a integrar os quadros do WMBI, lutando para que informações como estas não se percam. E hoje assina este artigo, compartilhando com todo o público as suas memórias sobre o maior evento ufológico registrado no Brasil.


image
leia mais...

OVNI UFO, Impressionante documentario sobre Ufólogia

Alerta OVNI Originais (25)

Impressionante! O melhor documentário sobre UFO. Conheçam alguns registros da maior organização de inteligência que já houve no mundo, a inteligência soviética.
 
leia mais...

Os astrônomos encontram novo objeto misterioso à espreita na beira do nosso sistema solar

Os astrônomos encontram NOVO objeto misterioso à espreita na beira do nosso sistema solar

Os cientistas acharam outro objeto misterioso que espreita os alcances mais exteriores de nosso sistema solar. É "extraordinariamente grande", e refletiu apenas cerca de 13 por cento da luz solar que chegou a ele.


Os astrónomos que exploram o nosso sistema solar encontraram outro corpo planetário à espreita na extremidade mais externa do nosso sistema solar. Eles o chamaram de DeeDee.

DeeDee - abreviação de Distan Dwarf - foi de fato descoberto pela primeira vez no outono de 2016, mas os astrônomos possuem muito pouco conhecimento sobre o objeto e sua estrutura física.

O objeto enigmático foi encontrado usando o telescópio Blanco de 4 metros no Observatório Interamericano Cerro Tololo, no Chile, como parte das observações em andamento para o Dark Energy Survey

Agora, graças aos novos dados recolhidos pelos astrônomos usando o Atacama Large Millimeter / submillimeter Array (ALMA), os especialistas obtiveram novos dados sobre a verdadeira natureza do objeto enigmático: É muito maior do que os cientistas esperavam que fosse.


image

Órbitas de objetos em nosso sistema solar, mostrando a localização atual do corpo planetário 'DeeDee'. Crédito: Alexandra Angelich (NRAO / AUI / NSF)

 


Especialistas revelaram que DeeDee é aproximadamente dois terços do tamanho do planeta anão Ceres - o maior membro que habita o cinturão de asteróides do nosso sistema solar, e tem massa suficiente para ser esférico.

DeeDee está localizado a cerca de 92 unidades astronômicas (AU) do sol - ou quase 140 milhões de quilômetros.

Demora DeeDee mais de 1.100 anos para completar uma única órbita em torno do nosso sol.

Na verdade, os objetos de mistério estão tão distantes da Terra que leva 13 horas para que a luz de DeeDee alcance nosso planeta.


image

ALMA imagem da fraca onda de milímetro de comprimento "brilho" do corpo planetário 2014 UZ224, mais informalmente conhecido como DeeDee. Crédito: ALMA (ESO / NAOJ / NRAO)


Essas características fazem de DeeDee o segundo objeto trans-neptuniano mais distante - com uma órbita apenas em segundo lugar ao planeta anão Eris.

Um objeto trans-Neptuniano (TNO) é qualquer planeta menor no Sistema Solar que orbita o Sol a uma distância média maior (semi-eixo maior) que Neptuno, 30 unidades astronômicas (AU). O maior objeto trans-Neptuniano conhecido é Plutão, seguido por Eris, 2007 OR10, Makemake e Haumea.

"Muito além de Plutão é uma região surpreendentemente rica em corpos planetários. Alguns são muito pequenos, mas outros têm tamanhos para rivalizar com Plutão, e podem ser muito maiores ", disse David Gerdes, cientista da Universidade de Michigan e autor principal de um artigo publicado no  Astrophysical Journal Letters . "Como esses objetos são tão distantes e escuros, é incrivelmente difícil até mesmo detectá-los, muito menos estudá-los em qualquer detalhe. ALMA, no entanto, tem capacidades únicas que nos permitiram aprender detalhes interessantes sobre esses mundos distantes. "

Os cientistas acreditam que a descoberta de objetos como DeeDee é extremamente importante, pois eles são os restos da criação do nosso sistema solar.

DeeDee também é um mundo extremamente frio.

"Calculamos que este objeto seria incrivelmente frio, apenas cerca de 30 graus Kelvin, um pouco acima do zero absoluto", disse Gerdes .

Curiosamente, usando a assinatura de calor de DeeDee, os especialistas só puderam confirmar que o planeta anão era "freakishly grande", mas era tão escuro que só refletia cerca de 13 por cento da luz solar que chegou.

A pesquisa foi publicada no  Astrophysical Journal Letters.

 

leia mais...

Mais Populares

 
Copyright © 2014 ALERTA OVNIs UFOs • All Rights Reserved.
Template Design by ORIGINAIS OADM • Powered by Blogger
back to top