Mostrando postagens com marcador ASTRONOMIA. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador ASTRONOMIA. Mostrar todas as postagens

ANUNNAKI: NASA flagra UFOS de Nibiru?

O que se vê no meio do sol é Nibiru visto de uma estação no polo Sul

NASA flagra um Porta-UFOS de Nibiru no espaço sideral bem logo abaixo próximo da curvatura da Terra.

Este vídeo nos mostra uma frota de UFOS.

O tamanho de cada um deles é 10 vezes o tamanho do planeta terra.
Vem sendo vistos pelos satélites artificiais vigilantes da NASA.


Estas naves utilizando o nosso SOL como um portal tempo-espaço.


Para se tele transportarem de um Universo paralelo, para o nosso.


No dia 11 de setembro de 2012 foi feito uma filmagem pelos tripulantes da Estação espacial NASA.


Observaram pela janela umas imagens bastante impressionantes, uns reflexos de luz na escuridão do espaço sideral bem logo abaixo próximo da curvatura da Terra.


Soltando uma frota de sondas UFOS conforme uma transmissão ao vivo da NASA?


Era uma grande nave-mãe Porta-UFOS, pertence ao planeta artificial Nibiru, foi vista pelas câmeras ao vivo através da janela da estação, os espectadores supõem que era um truque de luz na atmosfera da Terra.


Sim realmente e uma grande tecnologia muito esperta, utilizando um truque de reflexos de luz para ocultar as naves, era realmente uma grande nave Porta-UFOS, invisível aos nossos olhos e muito perto da nossa atmosfera.

Desde o mês de janeiro de 2012, um planeta artificial denominado Nibiru, às vezes se tornar invisível aos nossos olhos com as suas naves UFOS Porta-sondas, estes estão sendo vistos em varias partes mundo inteiro.

Há muito tempo já vem sendo construído uma mega construção faraônica, em nosso planeta, tudo indica, que a famosa e luxuosa, cidade de Dubai, vai ser a morada em que ostenta a riqueza dos Anunnaki em nosso planeta.

Este vídeo foi filmado pela câmera ao vivo, e postado na Internet, informando um OVNI em 2012 com uma tecnologia de Vórtice em forma de uma Nuvem Estranha! As nuvens vistas hoje são incríveis!

Estava se deslocando em alta velocidade subindo, saindo da atmosfera da terra indo para o espaço sideral.

Conforme um vídeo postado na Internet, no dia 26 de agosto de 2012, sobre os céus da cidade Monterrey no México, uma nave UFO perseguiu um helicóptero.
Veja outra cena interessante, um GIGANTESCO UFO sobrevoando a célebre cidade de Moscou capital da Rússia.

Conforme o Site Wikileaks, postou na Internet um vídeo, mostrando uma GRANDE nave UFO, que foi avistada na Cidade de Nova Iorque, é chamou atenção dos moradores da grande metrópole.

Veja umas esferas sondas UFO, sobre a praia da cidade de Miami.
Em fevereiro de 2012, apareceu um GIGANTE UFO em Toronto no Canada, nos Estados Unidos.

Estes vídeos se tornaram uma grande via de informação, e ajudou muito a humanidade tomar conhecimento dos fatos.

Todos estão expostos postados na internet pelos seus próprios autores que fizeram um grande trabalho, mostrando as naves Anunnaki no mundo inteiro.
Pegou o mundo de surpresa, e tremeu as bases da comunidade científica global.


leia mais...

#ASTRONOMIA: Cientistas Detectaram METAL Na Atmosfera De Marte

metal na atmosfera de marte
Cientistas da Nasa disseram que a "espaçonave MAVEN fez a primeira detecção direta da presença permanente de metal na ionosfera de um planeta diferente da Terra".



A nave espacial MAVEN da NASA fez uma descoberta sem precedentes ao detectar vestígios de íons de ferro, magnésio e sódio na atmosfera superior de Marte. MAVEN - Atmosfera de Marte e Evolução Volátil Missão - orbita o planeta reunindo dados ao longo do caminho sobre como Marte perdeu a maior parte do ar, dos oceanos e da atmosfera transformando-se de um planeta assustadoramente semelhante à Terra a terrenos desolados que vemos hoje.
Os astrônomos concluíram - com base em mais uma descoberta - que Marte é mais parecido com a Terra do que jamais imaginamos.
A NASA revelou que o planeta vermelho é o ÚNICO outro corpo cósmico em nosso sistema solar para ter METAL em sua atmosfera.
MAVEN - uma espaçonave especificamente projetada para estudar a atmosfera de Marte - revelou que há vestígios de metal na atmosfera superior de Marte, e é uma descoberta extremamente importante que mostra como Marte é um planeta que assustadoramente se assemelha à Terra.
Joseph Grebowsky do Centro de Vôo Espacial Goddard da NASA, em Greenbelt, Maryland, disse: "A MAVEN realizou a primeira detecção direta da presença permanente de íons metálicos na ionosfera de um planeta que não a Terra".
Então, como o metal acabou na atmosfera de Marte?
Segundo os cientistas, a resposta não é ALIENS.


Especialistas da NASA Goddard Space Flight Center em Greenbelt explicou que o metal encontrado na atmosfera de Marte vem de uma chuva constante de minúsculos meteoritos no planeta.
Os cientistas dizem que quando os meteoritos de alta velocidade caiem contra a atmosfera de Marte, eles evaporam.

A EQUIPE DESCOBRIU QUE OS ÍONS METÁLICOS COMPORTAVAM-SE DE MANEIRA DIFERENTE EM MARTE DO QUE NA TERRA. A TERRA É CERCADA POR UM CAMPO MAGNÉTICO GLOBAL GERADO EM SEU INTERIOR, E ESTE CAMPO MAGNÉTICO JUNTO COM VENTOS IONOSPHERIC FORÇA OS ÍONS DO METAL EM CAMADAS. NO ENTANTO, MARTE TEM APENAS CAMPOS MAGNÉTICOS LOCAIS FOSSILIZADOS EM CERTAS REGIÕES DE SUA CROSTA, EA EQUIPE SÓ VIU AS CAMADAS PERTO DESSAS ÁREAS. "EM OUTRO LUGAR, AS DISTRIBUIÇÕES DE ÍONS METÁLICOS SÃO TOTALMENTE DIFERENTES DAQUELAS OBSERVADAS NA TERRA", DISSE GREBOWSKY.

Os átomos de metal na fuga de vapor obtêm seus elétrons rasgados por átomos e moléculas carregados na ionosfera, os átomos de metal se transformam em íons eletricamente carregados.
Grebowsky explicou: "Como os íons metálicos têm longos períodos de vida e são transportados longe de sua região de origem por ventos neutros e campos elétricos, eles podem ser usados ​​para inferir movimentos na ionosfera, semelhante ao modo como usamos uma folha lofted para revelar de que maneira o vento está soprando."
Segundo especialistas, a compreensão da atividade ionosférica de Marte está ajudando os especialistas a entender como a atmosfera marciana está escapando para o espaço.
Até agora, MAVEN pegou vestígios de ferro, magnésio e íons de sódio na atmosfera superior. Esses elementos foram detectados nos últimos dois anos com a ajuda de seu instrumento de Espectômetro de Massa de Gás Neutro e Ion.
Grebowsky disse : "Detectamos ions metálicos associados com a estreita passagem de Comet Siding Spring em 2014, mas esse foi um evento único e não nos informou sobre a presença de longo prazo dos íons".
Além disso, os cientistas explicaram que a poeira interplanetária - que causa as chuvas de meteoros - é muito comum em nosso sistema solar, por isso é muito possível que todos os planetas e luas - com átomos substanciais - tenham vestígios de metal. Isso, é claro, ainda é uma teoria.
"Observar íons metálicos em outro planeta nos dá algo para comparar e contrastar com a Terra para entender melhor a ionosfera e a química atmosférica", disse Grebowsky.

Crédito de imagem: NASA
leia mais...

#ASTRONOMIA: Os astrônomos encontram novo objeto misterioso à espreita na beira do nosso sistema solar

Os astrônomos encontram NOVO objeto misterioso à espreita na beira do nosso sistema solar
Os cientistas acharam outro objeto misterioso que espreita os alcances mais exteriores de nosso sistema solar. É "extraordinariamente grande", e refletiu apenas cerca de 13 por cento da luz solar que chegou a ele.



Os astrónomos que exploram o nosso sistema solar encontraram outro corpo planetário à espreita na extremidade mais externa do nosso sistema solar. Eles o chamaram de DeeDee.
DeeDee - abreviação de Distan Dwarf - foi de fato descoberto pela primeira vez no outono de 2016, mas os astrônomos possuem muito pouco conhecimento sobre o objeto e sua estrutura física.
O objeto enigmático foi encontrado usando o telescópio Blanco de 4 metros no Observatório Interamericano Cerro Tololo, no Chile, como parte das observações em andamento para o Dark Energy Survey
Agora, graças aos novos dados recolhidos pelos astrônomos usando o Atacama Large Millimeter / submillimeter Array (ALMA), os especialistas obtiveram novos dados sobre a verdadeira natureza do objeto enigmático: É muito maior do que os cientistas esperavam que fosse.



image
Órbitas de objetos em nosso sistema solar, mostrando a localização atual do corpo planetário 'DeeDee'. Crédito: Alexandra Angelich (NRAO / AUI / NSF)




Especialistas revelaram que DeeDee é aproximadamente dois terços do tamanho do planeta anão Ceres - o maior membro que habita o cinturão de asteróides do nosso sistema solar, e tem massa suficiente para ser esférico.
DeeDee está localizado a cerca de 92 unidades astronômicas (AU) do sol - ou quase 140 milhões de quilômetros.
Demora DeeDee mais de 1.100 anos para completar uma única órbita em torno do nosso sol.
Na verdade, os objetos de mistério estão tão distantes da Terra que leva 13 horas para que a luz de DeeDee alcance nosso planeta.



image
ALMA imagem da fraca onda de milímetro de comprimento "brilho" do corpo planetário 2014 UZ224, mais informalmente conhecido como DeeDee. Crédito: ALMA (ESO / NAOJ / NRAO)



Essas características fazem de DeeDee o segundo objeto trans-neptuniano mais distante - com uma órbita apenas em segundo lugar ao planeta anão Eris.
Um objeto trans-Neptuniano (TNO) é qualquer planeta menor no Sistema Solar que orbita o Sol a uma distância média maior (semi-eixo maior) que Neptuno, 30 unidades astronômicas (AU). O maior objeto trans-Neptuniano conhecido é Plutão, seguido por Eris, 2007 OR10, Makemake e Haumea.
"Muito além de Plutão é uma região surpreendentemente rica em corpos planetários. Alguns são muito pequenos, mas outros têm tamanhos para rivalizar com Plutão, e podem ser muito maiores ", disse David Gerdes, cientista da Universidade de Michigan e autor principal de um artigo publicado no  Astrophysical Journal Letters . "Como esses objetos são tão distantes e escuros, é incrivelmente difícil até mesmo detectá-los, muito menos estudá-los em qualquer detalhe. ALMA, no entanto, tem capacidades únicas que nos permitiram aprender detalhes interessantes sobre esses mundos distantes. "
Os cientistas acreditam que a descoberta de objetos como DeeDee é extremamente importante, pois eles são os restos da criação do nosso sistema solar.
DeeDee também é um mundo extremamente frio.
"Calculamos que este objeto seria incrivelmente frio, apenas cerca de 30 graus Kelvin, um pouco acima do zero absoluto", disse Gerdes .
Curiosamente, usando a assinatura de calor de DeeDee, os especialistas só puderam confirmar que o planeta anão era "freakishly grande", mas era tão escuro que só refletia cerca de 13 por cento da luz solar que chegou.
A pesquisa foi publicada no  Astrophysical Journal Letters.

leia mais...

#ASTRONOMIA: Os astrônomos encontram um objeto misterioso, altamente metálico ISOLADO no espaço, MAIOR do que Júpiter

Os astrônomos encontram um objeto misterioso 01
De acordo com dados espectroscópicos, os objetos contém metano e água. Além disso, os astrônomos dizem que é um objeto altamente METÁLICO, e é mais maciço do que Júpiter.
Suas conclusões são resumidas em um artigo que recentemente apareceu no arXiv.org .
Os cientistas não podem concordar sobre a natureza de um objeto misterioso apelidado CFBDSIR 2149-0403. Por um lado, os cientistas reafirmam a possibilidade de que o objeto seja um planeta solitário jovem, embora também possa ser uma anã marrom de massa muito baixa e alta metalicidade.
Os astrônomos encontram um objeto misterioso 00
Enquanto procuramos por exoplanetas no universo, os astrônomos encontraram objetos realmente estranhos que desafiam tudo o que sabemos sobre o espaço.
Localizado a uma distância aproximada de 143 anos-luz da Terra, o objeto misterioso - CFBDSIR 2149-0403 - é comumente referido como um "objeto de massa planetária flutuante". Originalmente encontrado em 2012 por um grupo de astrônomos franceses e canadenses, o objeto enigmático criou um zumbido entre os especialistas.
A impressão do artista do objeto flutuante conhecido como CFBDSIR J ~ 214947.2-040308.9. Crédito: ESO / L. Calçada / P. Delorme / R. Consórcio Saito / VVV.

De acordo com dados espectroscópicos, os objetos contém metano e água. Além disso, os astrônomos dizem que é um objeto altamente METÁLICO, e é mais maciço do que Júpiter.
Desde a sua descoberta em 2012, os astrônomos determinaram-na a ser um candidato para um "planeta rogue", depois de perceber que era menor do que a classificação de anãs marrons que são mais de 13 vezes maiores do que Júpiter.
Olhando para o quadro maior, em estudos anteriores os astrônomos descobriram que o objeto estava se movendo em um grupo com outros corpos (o grupo movente de Doradus AB), orbitando nossa galáxia. Com base em dados, os astrónomos determinaram que os objetos tinham entre 50 e 120 milhões de anos, o que é jovem em comparação com a idade do universo.
( AB Doradus, é um grupo de cerca de trinta estrelas que se movem através do espaço.)
Entretanto, os cientistas não podem concordar se é um planeta desonesto ou algo mais.
Em primeiro lugar, os especialistas ainda não encontraram provas de que o CFBDSIR 2149-0403 faz parte ou faz parte de um sistema solar.
Estudos posteriores determinaram que com base no movimento do objeto, ele não está se movendo em um grupo, algo que tornou difícil para os astrônomos determinar sua massa. Isso levou alguns astrônomos a considerar que pode ser um anão com uma massa maior.
"Agora, rejeitamos nossa hipótese inicial de que o CFBDSIR 2149-0403 seria um membro do grupo de movimento AB Doradus",  disse Delorme . "Isso remove a restrição de idade mais robusta que tivemos. Embora a determinação de que certamente melhorou o nosso conhecimento do objeto também tornou mais difícil o estudo, acrescentando idade como um parâmetro livre.
A conclusão mais importante deste novo estudo é que o CFBDSIR 2149-0403 é, com toda a probabilidade, uma massa planetária isolada com menos de 500 milhões de anos, com uma massa entre dois e treze vezes a de Júpiter; Ou uma anã marrom mais velha, com idade entre 2.000 e 3.000 milhões de anos, com uma massa que oscila entre duas e quarenta vezes a de Júpiter.
Especialistas reconhecem que nossa compreensão atual do objeto ainda não é suficiente para concluir qual das duas hipóteses está correta.
Mas há outra possibilidade.
Mais interessantes do que as duas teorias acima, alguns astrônomos sugerem que os objetos não podem ser classificados nem como um planeta desonroso nem como uma anã marrom e que precisamos apresentar uma explicação inteiramente nova. Claro que se você
Inúmeras perguntas permanecem sem resposta.
Não sabemos como CFBDSIR 2149-0403 foi formado. No caso em que é um planeta, não temos absolutamente nenhuma idéia de como manged para acabar em sua posição atual, tão longe de qualquer estrela.
Também não sabemos o que significam as leituras de água e metano capturadas em sua atmosfera, se é um de milhares de objetos semelhantes ou, pelo contrário, algo único.


leia mais...

#ASTRONOMIA: Por que a Índia deve ajudar a formar normas para atividades no espaço

Por que a Índia deve ajudar a formar normas para atividades no espaço
A Índia pode promover a criação de um regime mais abrangente para a utilização do espaço ultraterrestre de diversas formas.
Os últimos anos foram inovadores para o Programa Espacial indiano. Em 2014, sua primeira missão interplanetária, Mangalyaan, entrou em órbita de Marte, colocando a Organização de Pesquisas Espaciais da Índia (ISRO) no grupo selecionado de agências espaciais para chegar a Marte, e a primeira a ter sucesso ao entrar na órbita na primeira tentativa. Em 2015, a agência lançou seu primeiro observatório espacial, Astrosat, com o objetivo de observar planetas distantes e objetos astronômicos, uma tecnologia de primeira classe dominada por poucos países. No ano passado, a Índia também estabeleceu um recorde ao lançar 20 satélites ao mesmo tempo, muitos de outros países. No entanto, a Índia poderia ir um passo adiante no negócio espacial e se envolver em uma atividade muito mais gratificante para suas ambições: assumir a liderança na elaboração de normas para atividades espaciais.
Como a ISRO alcançou um novo recorde mundial em fevereiro - o lançamento de 104 satélites em um único foguete - o primeiro-ministro Narendra Modi deve considerar dar novo foco à diplomacia em torno do uso do espaço. A Índia não tem sido muito activa nos esforços internacionais em curso para actualizar o regime do espaço exterior. Não apoiou a proposta da União Europeia para um Código de Conduta para as Actividades do Espaço Exterior e também observou em silêncio enquanto a China e a Rússia uniram esforços para emitir um projecto de tratado sobre a prevenção da colocação de armas no espaço. No entanto, se a Índia pretende um maior reconhecimento no cenário internacional, é hora de assumir uma postura mais pró-ativa na criação de novas normas e regras na governança global.
O regime espacial internacional existente inclui vários tratados ultrapassados ​​- principalmente o Tratado do Espaço Exterior de 1967 eo Tratado de Lua de 1979. Estes documentos não abordam questões urgentes para a exploração espacial de hoje, incluindo a proibição de ensaios de armas não nucleares no espaço ea A criação de detritos de risco da destruição de velhos satélites. A entrada de novos atores, especificamente no setor de comunicações espaciais, torna cada vez mais difícil coordenar o posicionamento de novos satélites em uma órbita já superlotada. Além disso, ainda é desconhecido como esses novos atores - incluindo China e Índia - se comportarão no espaço: se eles escolherão seguir o uso pacífico do espaço, ou se a militarização será seu caminho.
É crucial para a Índia para trabalhar activamente para novas normas no cenário atual, por uma variedade de razões. Primeiro, a Índia precisa considerar seus interesses de segurança nacional. O vácuo criado pelo lento crescimento dos EUA e da Rússia nas capacidades espaciais está sendo preenchido pela China, cujas intenções não são totalmente claras. Em 2007, Pequim lançou uma arma anti-satélite (ASAT) para destruir um antigo satélite. Este movimento, não previamente notificado à comunidade internacional, não só produziu milhares de detritos nocivos em órbita, como também evidenciou a crescente capacidade militar da China. Se a Índia quiser restringir as atividades chinesas potencialmente prejudiciais no espaço exterior, precisa endossar regras que se ajustem aos seus interesses nacionais.
A Índia também precisa promover a regulamentação das atividades espaciais para melhorar sua cooperação com outras nações que operam no espaço - possivelmente incluindo a China, se os dois países decidirem pela cooperação em vez da concorrência.Os sectores vitais da economia, como as finanças e as comunicações, dependem das tecnologias espaciais, o que torna a cooperação essencial para os países num mundo globalizado. A Índia está orgulhosa da indigeneidade de sua tecnologia espacial, mas é hora de se envolver em compartilhamento de tecnologia e acordos comerciais com outros países. As tecnologias espaciais são estimulantes econômicos e ferramentas úteis nas atividades de comunicação, gerenciamento de recursos e prevenção de desastres, que são recursos essenciais para economias emergentes como a Índia.
Mais importante ainda, engajar-se e comprometer-se com a criação de um novo quadro de governança espacial projetariam a Índia como uma agenda-setter em um campo de importância crescente para as relações internacionais. Como em outros domínios da governança global, o futuro da pesquisa espacial está nas mãos da Ásia.
A Índia pode promover a criação de um regime mais abrangente para a utilização do espaço ultraterrestre de diversas formas. É possível, por exemplo, iniciar discussões em organizações como os BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), IBSA (Índia, Brasil, África do Sul) e a Organização de Cooperação de Xangai. A Índia também pode participar ativamente de fóruns já existentes, como o Comitê das Nações Unidas para a Utilização do Espaço Exterior com Fins Pacíficos e as discussões em andamento da União Européia sobre a criação de um código de conduta.
O Tratado do Espaço Exterior festeja seu 50º aniversário este ano; 2017 pode ser um bom ano para a Índia começar uma campanha ativa para uma atualização no regime espacial. Pode ser difícil para a Índia construir uma nova instituição internacional ou criar tratados juridicamente vinculativos, mas pode trabalhar na promoção e criação de novas convenções, acordos de cooperação e normas consensuais.
Fontes links
leia mais...

#ASTRONOMIA: Perguntas e respostas sobre Marte

Marte perguntas e respostas
As sete perguntas capitais dos cientistas em relação a Marte

1- Por que Marte tem duas faces?

Os cientistas têm se questionado sobre as diferenças entre os dois lados de Marte durante décadas. O hemisfério norte do planeta é suave e baixo e está entre os mais planos e suaves lugares do sistema solar, potencialmente criados pela água que fluiu um dia em toda a superfície marciana.

Enquanto isso, a metade sul da superfície marciana é áspera e cheia de crateras, e tem cerca de 2,5 a 4 quilômetros de altitude mais elevada do que a bacia do norte. Evidências recentes sugerem que a grande disparidade entre as metades norte e sul do planeta foi causado por um choque oriundo de uma rocha gigante em Marte há muito tempo.

2- Qual é a fonte de metano em Marte?

Metano - a mais simples molécula orgânica - foi descoberto pela primeira vez na atmosfera de Marte pela sonda da Agência Espacial Europeia Mars Express em 2003. Na Terra, muito do metano atmosférico é produzido pela vida, devido a, por exemplo, os bovinos digerirem comida. O metano é suspeito de ser estável na atmosfera marciana por apenas cerca de 300 anos, então o que está gerando este gás na atmosfera do planeta vermelho fez isso recentemente. Ainda assim, há maneiras de produzir metano sem vida, pode ser gerado através da atividade vulcânica. A nave espacial da ESA, ExoMars, prevista para ser lançada em 2016 vai estudar a composição química da atmosfera de Marte para aprender mais sobre esse metano.

3- Existe água líquida correndo na superfície de Marte?

Apesar de uma grande quantidade de evidências que sugerem que água líquida correu um dia na superfície de Marte, ainda permanece uma questão em aberto que é saber se ela foi ou não flui ocasionalmente na face do planeta vermelho nos dias de hoje. A pressão atmosférica do planeta é muito baixa, cerca de 1/100 da terra, para a água líquida fluir na superfície dura. No entanto, linhas escuras e estreitas visto nas encostas marcianas insinuam que poderia existir água salgada escorrendo no planeta durante a primavera.

4- Existiram oceanos em Marte?

Numerosas missões a Marte revelaram uma série de reportagens sobre o Planeta Vermelho que sugerem que ele já foi suficiente para aquecer a água a ponto dela se tornar líquida a fim de escoar em toda a sua superfície. Esses recursos incluem o que parecem ser vastos oceanos, redes de vales, deltas de rios e minerais que necessite água para se formar. Entretanto, os modelos atuais do clima de Marte é precoce.
Não podemos explicar como essas altas temperaturas poderiam ter existido, bem como o sol poderia ser muito mais fraco, e então a pergunta seria se esses recursos poderiam ter sido criados por ventos ou outros mecanismos. Ainda assim, há evidências que sugerem que o planeta Marte antigo foi quente o suficiente para abrigar água líquida em pelo menos um local em sua superfície. Outros achados sugerem que o planeta Marte antigo foi um dia frio e úmido, e não frio e seco, nem quente e úmido, como a ciência muitas vezes argumentou.

5- Existe vida em Marte?

A primeira sonda a pousar com sucesso em Marte foi a Viking, da NASA, quando começou um mistério que permanece sem solução: Existe evidência de vida em Marte? A Viking representou a primeira e até agora única tentativa para procurar vida em Marte, e as suas conclusões são muito debatidas até hoje. AViking tinha detectado moléculas orgânicas, tais como cloreto de metilo e diclorometano. No entanto, estes compostos foram considerados como contaminação terrestre - ou seja, produtos de limpeza usados ​​para preparar a nave quando esta ainda estava na Terra. A superfície de Marte é muito hostil para abrigar vida como a conhecemos, em termos de frio, radiação, hiper-aridez e outros fatores. Ainda assim, há inúmeros exemplos de vida que sobrevive em ambientes extremos ao da Terra, como o frio, solos secos, os Vales Secos da Antártica e do hiper-árido Deserto do Atacama, no Chile. Há vida praticamente onde quer que haja água líquida na Terra, e a possibilidade de que houvesse oceanos em Marte leva a muitos a se perguntarem se a vida nunca evoluiu em Marte e, em caso afirmativo, se ela pode existir. A resposta a estas perguntas pode ajudar a encontrar uma pista sobre como a vida comum pode ou não estar presente no resto do universo.

6- Será que a vida na Terra começa em Marte?

Meteoritos descobertos na Antártida que vieram de Marte - decolaram do Planeta Vermelho por impactos cósmicos - possuem estruturas que lembram aquelas feitas por micróbios da Terra. Embora muitas pesquisas feitas desde então sugerisse as explicações oriundas da química em vez das explicações biológicas para estas estruturas, o debate continua. Essas descobertas levantam a possibilidade tentadora de que a vida na Terra se originou em Marte há muito tempo através da ação de meteoritos.

7- Será que seres humanos podem viver em Marte?

Para responder estas perguntas as pessoas teriam que realmente ir lá e descobrir. Este era o plano da NASA desde 1969, ou seja: uma missão humana a Marte em 1981 e uma base permanente em Marte em 1988. No entanto, as viagens interplanetárias feitas por humanos representam vários desafios científicos e tecnológicos. Seria necessário lidar com os rigores da viagem - questões de alimentos, água e oxigênio, os efeitos deletérios da microgravidade, perigos potenciais, tais como incêndio e radiação e o fato de que nenhum desses astronautas estaria a milhões de quilômetros de distância desprovidos de ajuda e confinados juntos por ano. Chegar, trabalhar, e viver em outro planeta e depois retornar iria oferecer uma série de desafios também, e, no entanto, os astronautas parecem ansiosos para descobrir. Por exemplo, este ano, seis voluntários viveram em uma espaçonave teste por quase um ano e meio no projeto chamado Mars500 que foi a maior simulação de voo espacial já realizada, com o objetivo de reproduzir uma missão tripulada a Marte do começo ao fim. Há mesmo numerosos voluntários para uma viagem só de ida para o Planeta Vermelho.

Por Milton Dino Frank Junior
Fonte: 
leia mais...

#ASTRONOMIA: Como os buracos negros se formam?

Os buracos negros são objetos os mais exóticos e assustadores no Universo. Pegue a massa de uma estrela inteira. Comprima-a em um objeto tão compacto que a força da gravidade desafia a compreensão. Nada, nem mesmo a luz, pode escapar da força da gravidade de um buraco negro. A ideia foi concebida pela primeira vez no século 18 pelo geólogo John Mitchell. Ele percebeu que se você pudesse

CONTINUE LENDO

http://saibatananet.blogspot.com.br/2015/05/como-os-buracos-negros-se-formam.html
leia mais...

NASA detecta no Sol uma explosão magnética nunca vista antes (Vídeo)


É sobre a ruptura e a conseqüente reconexão de duas linhas da magnetosfera, causadas por uma erupção solar.

Astrônomos do Observatório de Dinâmica Solar (SDO) da NASA registraram uma protuberância especial na superfície do Sol que causou uma mudança nas linhas do campo magnético da estrela, relata um  artigo  publicado em 17 de dezembro em O Jornal Astrofísico.

A erupção, detectada em 3 de maio de  2012,  atingiu as camadas superiores da atmosfera solar e começou a cair. No entanto, ao contrário de outras protuberâncias observadas anteriormente, desta vez a matéria que a formou atendeu às linhas do campo magnético solar, causando a chamada  reconexão ou explosão magnética .

Este fenómeno, detectado tanto em terra e o sol, que é  a ruptura e subsequente religação de duas linhas de magnetosfera . No entanto, os eventos desse tipo observados até o momento foram espontâneos e ocorreram em circunstâncias muito particulares.

Naquela época, algo diferente aconteceu: uma  reconexão forçada , teoricamente prevista há 15 anos. Diferentemente das explosões espontâneas, as reconexões forçadas podem ocorrer em condições mais comuns, mas precisam de uma erupção cutânea que a causa.
“Essa foi a primeira observação de um fator externo de reconexão magnética. Pode ser  muito útil para entender outros sistemas . Por exemplo, magnetosferas planetárias e terrestres, outras fontes de plasma magnetizado e até experimentos   em escala de laboratório, onde o plasma é altamente difusivo e muito difícil de controlar ”,  cita  uma declaração da NASA ao principal autor do estudo, Abhishek. Srivastava
Os pesquisadores também descobriram que a reconexão forçada  aqueceu o plasma do Sol muito mais do  que as explosões espontâneas. Isso pode ajudar na previsão dos efeitos nocivos das tempestades solares, que podem representar um perigo para a Terra, observa a NASA.

leia mais...

#ASTRONOMIA: Astronauta da Apollo 14 diz que os alienígenas salvaram a humanidade de se destruir!

Astronauta da Apollo 14
Há um monte de teorias de conspiração lá fora. E então há isto. O veterano da Apollo, Edgar Mitchell, o sexto homem a andar na Lua, diz que os OVNIs vieram em paz numa missão para impedir que a humanidade se destrua. O astronauta é uma das figuras mais proeminentes da comunidade mundial UFO e falou muito sobre sua crença em estrangeiros desde que ele desembarcou na lua. Ele agora fez a assombrosa alegação de que os alienígenas vieram à Terra para parar uma guerra nuclear entre a América ea Rússia. O astronauta disse ao Mirror Online que fontes militares de alto escalão detectaram UFOs durante os testes de armas. Ele afirma que insiders militares tinham visto estranhos ofícios voando sobre as bases de mísseis e as instalações de White Sands famoso, onde a primeira bomba nuclear do mundo foi detonada em 1945. "Você não conhece a área como eu faço", disse ele em uma entrevista com Espelho on-line.
"White Sands era um campo de testes para armas atômicas - e isso é o que os extraterrestres estavam interessados. Eles queriam saber sobre nossas capacidades militares. Minha própria experiência conversando com as pessoas deixou claro que os ETs estavam tentando nos impedir de ir Guerra e ajudar a criar paz na Terra ".
Os interesses de Mitchell são amplos e incluem consciência e fenômenos paranormais. No seu caminho de volta para a Terra durante o vôo Apollo 14, ele teve uma poderosa experiência savikalpa samādhi (um estado em que se solta o ego e se torna consciente do Espírito além da criação) e também afirmou ter realizado experimentos privados com seus amigos ESP Terra, cujos resultados foram publicados no Journal of Parapsychology em 1971. Ele é o fundador do Instituto de Ciências Noéticas (IONS) com o propósito de pesquisa de consciência e outros "fenômenos relacionados". Mitchell também afirma que um curandeiro remoto adolescente que vive em Vancouver e usa o pseudônimo Adam Dreamhealer o ajudou a curar câncer de rim à distância. Mitchell disse que, embora ele nunca tenha tido uma biópsia, "eu tinha um sonograma e ressonância magnética que era consistente com carcinoma renal.
Em uma entrevista para AskMen publicada em 6 de março de 2014, Mitchell admitiu que nunca tinha visto um OVNI, que ninguém jamais o ameaçou sobre suas reivindicações sobre OVNIs, e que quaisquer declarações sobre o encobrimento de UFOs sendo uma cabala mundial eram "apenas Especulação da minha parte. "
A véspera de Edgar Mitchell faleceu no 45o aniversário de sua aterragem lunar! 4 de fevereiro de 2016.
Via: Mirror Online, Wikipedia

Alerta OVNIs Ufos


Pelo menos na imaginação de muita gente, os objetos voadores não indentificados são naves de outros planetas. A ciéncia não leva isso a sério, mas algumas aparições nunca foram bem explicadas. Aquele que não conhece a verdade é simplesmente um ignorante, mas aquele que a conhece e diz que é mentira, este é um criminoso

http://feeds.feedburner.com/CuoUfologiaOriginais
leia mais...

#ASTRONOMIA: NÃO ACREDITAR EM INTELIGENCIA EXTRATERRESTRES É IR CONTRA AS PROBABILIDADES

Kepler-11-lg-e1330701844113
Acredita-se que o universo seja infinito. O universo observável - isto é, a parte do universo cuja luz chega até nós para que seja observada - tem um raio de cerca de 46 bilhões de anos-luz, com pelo menos 100 bilhões de galáxias. Nós vivemos em uma delas (a Via Láctea) e cada galáxia tem, em média, algumas centenas de bilhões de estrelas - sendo que apenas 5 mil são visíveis da Terra a olho nu. Muitas delas são parte de sistemas solares e, na nossa galáxia, há pelo menos 17 bilhões de planetas rochosos parecidos, de alguma maneira, com a Terra, ou ainda 100 bilhões de planetas dos mais diversos tipos (incluindo os gasosos como Júpiter e Saturno).
Astrônomos consideram que uma em cada seis estrelas contenha um planeta rochoso como o nosso em sua órbita, então, estatisticamente falando, seria lógico pensar que existe vida em outros lugares além da Terra. No entanto, estamos no ano de 2016 depois de Cristo e ainda não tivemos nenhuma confirmação, ou sequer forte indício, de que a vida como conhecemos habite outro corpo espacial além do planeta em que vivemos. Mas, mesmo assim, temos somente alguns séculos de observação espacial no nosso histórico e algumas décadas de exploração; e, portanto, ainda estamos dando os primeiros passos para desvendar os mistérios do cosmos. De acordo com a ciência, não acreditar na existência de vida inteligente extraterrestre é ir contra as probabilidades.
A Equação de Drake
Em 1961, o astrônomo e astrofísico Frank Drake formulou uma equação para estimar o número de civilizações extraterrestres ativas somente na Via Láctea. Conhecida como Equação de Drake, o cálculo resume os principais conceitos que os cientistas devem contemplar ao considerar a probabilidade de outras formas de vida serem capazes de fazer algum tipo de comunicação conosco via ondas de rádio.
O problema é que essa equação tornou-se controversa, uma vez que vários de seus fatores ainda são um tanto quanto desconhecidos, além de ter uma vasta gama de valores abrangidos, fazendo com que muitos considerem a equação como sendo um mero palpite. Mas tantos outros especialistas defendem que basta usar uma abordagem mais razoável para mostrar que já temos conhecimento o bastante para atribuir valores aceitáveis à maioria dos termos da equação, sendo possível chegar a uma probabilidade razoável no final do cálculo.
Mas, independentemente de termos os valores adequados para o cálculo ou não, a equação é a seguinte:
clip_image002
(Reprodução: University of Rochester)
Sendo:
N = O número de civilizações na Via Láctea que poderíamos estabelecer contato
R * = A taxa de formação de estrelas em nossa galáxia
fp = A fração de estrelas com sistemas planetários
ne = O número de planetas, por sistema estelar, com um ambiente adequado para a vida
fl = A fração de planetas adequados em que a vida realmente possa se desenvolver
fi = A fração de planetas que desenvolvem vida inteligente
fc = A fração de planetas com vida inteligente e que têm o desejo e os meios necessários para estabelecer comunicação
L = O tempo esperado de vida de tal civilização
Considerando que, de acordo com Drake:
R* - estimado em 7/ano
fp – estimado em 0,5
ne – estimado em 2
fl – estimado em 0,33
fi – estimado em 0,01
fc – estimado em 0,01
L – estimado como sendo 10.000 anos
Então o cálculo seria mais ou menos o seguinte:
N = 7 × 0,5 × 2 × 0.33 × 0,01 × 0,01 × 10 000 = 2,31
Ou seja, com uma visão conservadora, chegaríamos à conclusão de que somente na Via Láctea existem, neste momento, cerca de duas civilizações inteligentes capazes de se comunicar com o ser humano. Contudo, outros cálculos chegaram a valores mais otimistas de mil ou até cem mil civilizações alienígenas inteligentes vivendo no momento presente em nossa galáxia. O célebre astrônomo Carl Sagan, por exemplo, chegou a calcular nada menos do que 1 milhão de civilizações inteligentes distribuídas pelo espaço, aguardando nossa capacidade tecnológica de estabelecer um contato.
A descoberta de exoplanetas
Há muito era sabido que existem bilhões de planetas orbitando outras estrelas espaço afora, mas foi somente na década de 1990 que a tecnologia da observação espacial nos permitiu detectar, de fato, o primeiro exoplaneta. A notícia de que realmente há uma imensidão de planetas orbitando sóis por aí é empolgante e, ao mesmo tempo, um balde de água fria para os entusiastas da vida alienígena: a maioria deles, contudo, tem condições inóspitas à existência da vida tal qual a concebemos.
clip_image004
Representação artística do 51 Pegasi b, o primeiro exoplaneta descoberto. Ele está localizado a 50 anos-luz de distância, na constelação de Pegasus (Reprodução: Divulgação)
Até o ano de 2015, havíamos descoberto somente uma dúzia de exoplanetas similares à Terra e localizados em zonas habitáveis (isto é, nem muito perto e nem muito longe de sua estrela). Mas o telescópio espacial Kepler - o maior caçador de planetas fora do Sistema Solar - já conseguiu detectar 1.284 novos exoplanetas desde então. Desse número total, cerca de quinhentos são rochosos e com um tamanho semelhante ao da Terra. Já desses 500, apenas nove orbitam na zona habitável de seus sóis, podendo neles haver água líquida e, portanto, nos dando a esperança de abrigarem vida.
Até os dias atuais, a NASA já determinou pelo menos 21 exoplanetas com a possibilidade de serem a morada de algum tipo de ser vivo, e acredita-se, ainda, que o mais próximo deles esteja a apenas 11 anos-luz da Terra. Ou seja, uma viagem de apenas onze anos navegando à velocidade da luz nos separaria de um planeta que, se não abrigar seres vivos, poderia servir como moradia para nós, seres humanos, em algum futuro muito distante.
E então cadê os ETs?
Desde que inventamos tecnologias para registrar fotos e vídeos, constantemente nos deparamos com imagens mostrando OVNIs (Objetos Voadores Não Identificados), quase sempre com a suspeita de que se tratam de espaçonaves alienígenas visitando nosso planeta. Além disso, um grande número de fotos de supostos seres extraterrestres capturados por órgãos governamentais já foi veiculado em jornais, revistas e sites especializados em ufologia. No entanto, até o presente momento, nenhuma dessas imagens teve sua veracidade devidamente comprovada - pelo contrário, para a maioria delas foi batido o martelo da falsificação de imagens.
Apesar de alguns casos envolvendo encontros entre seres humanos e supostos alienígenas permanecerem sem solução, ainda não tivemos nenhum contato com visitantes de outros planetas, tampouco indícios de sua existência. Mas seguimos na busca, afinal, duvidar da existência de inteligências fora da Terra é ir contra as probabilidades e a ciência não se contentará com nada além da verdade.
Para realizar essa busca, a NASA criou o projeto SETI (“Search for Extraterrestrial Intelligence”, ou “Busca por Inteligência Extraterrestre” em português) que há algumas décadas utiliza radiotelescópios poderosos que “varrem” o universo analisando sinais de rádio de baixa frequência. Como esse tipo de sinal não ocorre naturalmente, sua descoberta em algum outro local do universo determinaria a existência de comunicação entre seres tecnologicamente inteligentes.
clip_image006

Radiotelescópios do SETI em busca de sinais de rádio extraterrestres (Reprodução: Divulgação)
Ao longo dos anos, cientistas do projeto já captaram alguns sinais eletromagnéticos diferentes, muitos deles que produziam padrões caracterizados como não naturais. O mais notório deles foi o que ficou conhecido como “Sinal Wow!”, detectado por um voluntário do SETI em 1977. O sinal durou 72 segundos e veio da região da constelação de Sagitário. Seu nome surgiu pois, ao observar o sinal nas leituras impressas, ele circulou a indicação escrevendo um “Wow!” ao lado, e esse sinal é considerado o melhor já capturado pelo projeto. No entanto, não foi detectado novamente em nenhuma das diversas pesquisas que foram realizadas posteriormente.
Até então o SETI não encontrou nenhuma confirmação de comunicação alienígena mesmo com diversos sinais incomuns observados, mas, recentemente, o projeto ganhou um reforço peso pesado com a iniciativa "Breakthrough Listen" (algo como “Escuta Reveladora”), criada pelo bilionário russo Yuri Milner e pelo físico Stephen Hawking. O projeto injetará US$ 100 milhões no SETI ao longo da próxima década para intensificar ainda mais a busca por sinais de comunicação alienígena via sinais de rádio.
“I want to believe”
clip_image007
Cena de Arquivo X em que Dana Scully, interpretada pela atriz Gillian Anderson, posa ao lado do icônico pôster (Reprodução: Divulgação)
A frase em inglês, que significa “Eu quero acreditar”, ficou mundialmente famosa graças à série televisiva Arquivo X, em que os detetives Fox Mulder e Dana Scully investigavam casos não solucionados envolvendo fenômenos paranormais. Nela, Mulder acreditava na existência de extraterrestres e tentava prová-la, enquanto Scully, mais cética, mantinha seu foco nas análises científicas dos fatos.
Independentemente de querermos ou não acreditar, é preciso ter em mente o quão grande é não somente a nossa galáxia como todo o universo, e, portanto, uma civilização inteligente localizada em algum planeta ainda desconhecido pode simplesmente não ter meios de chegar até nós, da mesma forma que nós ainda não temos os meios necessários para chegarmos a eles.
Se considerarmos que a matéria necessária para o desenvolvimento da vida é despejada por estrelas em todo o universo, seria altamente improvável que a vida tivesse surgido somente no planeta Terra, esse “pálido ponto azul”. Afinal, calcula-se que o Big Bang - o fenômeno que deu origem a tudo o que existe - tenha ocorrido há mais de 13 bilhões de anos, então não seria uma ideia louca cogitar que a vida inteligente já tenha surgido por aí diversas e diversas vezes, tampouco que ela exista simultaneamente à vida terrestre em algum lugar muito distante.
clip_image008

(Reprodução: Pensador)
A vida extraterrestre pode ser rara, ou ainda pode ser que não haja muitas espécies tecnologicamente inteligentes além da humana. Pode ser ainda que civilizações avançadas tenham se autodestruído, ou que tenham sido vítimas de extinções em massa causadas por fenômenos da natureza. Alguns entusiastas especulam que seres alienígenas estão nos observando, mas não fazem contato direto conosco para não interferir no curso de nossa evolução natural. Outros pensam que esses seres podem ser tão diferentes de nós em termos fisiológicos e psicológicos que não seja possível haver algum tipo de comunicação.
Bom, Galileu Galilei foi o primeiro homem a apontar um telescópio para as estrelas em 1609, e os radiotelescópios somente foram inventados na década de 1930. Então, seja qual for a hipótese que escolhemos acreditar, uma coisa é fato: estamos apenas no começo da exploração espacial e ainda é demasiadamente cedo para desacreditar na existência de inteligências extraterrestres somente porque ainda não tivemos um contato cientificamente comprovado.
BY: JEFFERSON CHAGAS
leia mais...

RANDOM

 
Copyright © 2014 UFOLOGIA ORIGINAIS • All Rights Reserved.
Template Design by UFOOVNI • Powered by Blogger
back to top